Ódio, necropolítica e Tea Party tupiniquim: a receita eleitoral para 2018

                A opinião do recém-empossado governador de São Paulo, Márcio França sobre a polícia e sua ação sobre o episodio da PM que reagiu a uma tentativa de assalto matando o sujeito, me lembrou de um texto escrito em 2015, já com os sinais da grave crise política e de uma radicalização do ódio em forma político-eleitorais nos discursos e ações dos postulantes a cargos na política nacional.

               Impressionante como estamos parecidos com os Estados Unidos. Há alguns anos, uma parcela do eleitorado americano não se sentia representada pelos partidos, pelas representações formais, e passaram a se movimentar, de maneira difusa pra influir nos rumos da política americana. Esse movimento foi chamado de Tea Party. Irrompeu de tal forma pros lados de lá que forçou o pêndulo pra posições mais conservadoras dos partidos principais. Perderam força, mas deixaram um rastro de retrocesso político em sua passagem retumbante.

           Vivemos um momento muito parecido. Jair Bolsonaro é a nossa Sarah Palin. Ambos estúpidos, cristãos politiqueiros, mas com maior risco por estas bandas: a visibilidade que o Bolsonaro tem tido, o coloca como um presidenciável com chances. E dado o clima de medo/ódio ao qual estamos vivendo, ele parece muito como um novo Collor, pra salvar as classes médias e pobres iludidas dos “perigos” morais e sociais que estes tempos tem proporcionado a frágil sanidade e intenso bombardeio midiático destes estratos sociais.

               Estamos a um passo de um “Tea Party” brasileiro. O ódio irrompeu e contaminou o ambiente político, mais afeito à hipocrisia e demagogia, mas sem arroubos. Vemos hoje a aglutinação de um espectro político sem rosto, no qual erradamente colocamos o PSDB como cabeça. O PSDB está tentando capitalizar essa força política sem pai nem mãe, mas não apenas o PSDB. Vemos este discurso se espraiar por outras siglas, que apesar do fisiologismo brasileiro, tiveram pautas mais populares como o PDT e o PSB. A busca por votos tem exacerbado a retórica belicista dos partidos e tem se seguido o mesmo script já formulado, com as mesmas falsas soluções já conhecidas.

             Esse grupo, que se enxerga nos Bolsonaros e Felicianos da vida, já demonstrou sua força ao puxar o pendor político para um espectro mais doentio, visceral no ódio, no qual tudo é permitido para que as regras se modifiquem ao sabor de suas paixões e vontades.

           No meu entender, isso não é o problema maior. A elite branca no Brasil e no mundo sempre mudaram as regras quando viam que tinham riscos de perder privilégios. A História está cheia destes pontilhados. Mas o que surpreende é a adesão dos mais pobres. Uma disposição anti-política ativa, num endosso preocupante raiva canina da elite. Hoje o Tea Party tupiniquim comunga de pobres da quebrada, daquele que acorda as 5 da manhã, o gladiador do altar da Universal e o rentista que num sabe o que é calo na mão.

             Apesar de várias quebradas não terem feito panelaço, o panelaço mental tem sido imputado pela mídia. Tão levantando uma lebre que depois num vão aguentar o repuxo, e pior vai ser pros de sempre: pros pretos. Esse clima de ódio político não tá dissociado dos eventos sociais aos quais temos passado. Fiquemos ligeiros.

Edit: Matéria com o posicionamento do governador.

https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2018/05/quem-ofender-a-policia-militar-corre-risco-de-vida-em-sp-diz-governador.shtml

Anúncios

As balas enquanto a política do (não) diálogo

Por: Tago E. Dahoma

Eu to querendo saber em que país se pacificou uma situação de ódio sem ser por conflito armado. Em quais lugares uma clivagem tão forte foi amansada em uma união pelo jogo democrático, nas urnas, sem antes haver o choque armado. Uma dúvida real e que parece estar cada vez mais presente no horizonte político nacional.

O erro continua. Dilma após a eleição em 2014, quis fazer um conluio (não dá pra chamar de outra coisa) com as mesmas pessoas que lhe quiseram a cabeça com uma maçã na boca, no ideal romantizado da escolha da maioria como elemento pacificador das profundas divisões existentes na sociedade brasileira e que ficaram patentes em pólos político-partidários.

Lula foi alvejado, axincalhado, e tem a própria liberdade em risco. E fala em respeito à democracia. Eu, ouvindo o ex-presidente, quase acreditaria que a situação institucional desse pardieiro estivesse prestes a se normalizar, já que a democracia está em vigor. De que raios ele fala? Quais os códigos estão em atuação no atual momento?

Entendo: A casa em chamas e o olhar nas colheitas primaveris. Como se a eleição fosse um jogo no qual o derrotado acataria o resultado após o investimento político e econômico que reduziu o país a um lugar pequeno, ao qual sempre esteve acotumado no tabuleiro mundial. Como se do Planalto viria o magistral plano de desmobilização de uma direita rançosa, vingativa e com ódio viperino da esquerda e de suas representações, mesmo que falsas. Escuto os espantos, as manifestações de respeito às instituições, e me choca como parece que o que aconteceu ao Lula fosse rio brotado em deserto seco. Assim como o que fizeram a Marielle.

Os pretos continuam a pagar o preço por todos os erros e acertos. Morremos a rodo na bonança, e continuamos a morrer no caos. As balas hoje nos nossos corpos são os desdobramento de um histórico calcado na resolução dos conflitos pela violência, pela ótica da desvalorização da vida. Por mais democrático que o país tenha se sentido, esta capa violenta sempre esteve presente, se fazendo de “pacificador” nos acertos e desacertos.
No fundo, esperança no quê de fato? Se for nas perspectivas políticas que tem se apresentado como solução do atual momento, uma “esperança desesperançada” toma forma, como esperar a água cair de uma jarra vazia. A solução me parece vir na fé em nós mesmos, por mais anti-tudo que isto possa parecer.

Realmente me incomoda estarmos a mercê das jogadas, das negociações de bastidores, dos conluios, das bravatas palanqueiras, da comoção seletiva, das desonras em morte.

Talvez o que pacifique seja o conflito. Que seja um conflito deles. Aberto, para quem sabe o horror trazido às casas e vidas dos distintos mostre-lhes a insensatez dos presentes atos e das ações que tem sido cometidas “aos fora do pleito”, de tez escura que sempre são o objeto dos discursos e argumentações, sejam por motivos “nobres” ou de justiciamento,  baseados nas ações sem real dotação, com pouco empenho real na resolução dos problemas que acometem-nos.

Que nos deixem de fora, já que sem conflito, mas com massacre, chacina, o brasil é mestre.

Se massacre pacificasse, o brasil seria o melhor lugar do mundo pra se viver.

Obs:
Notícias sobre os tiros a Lula: http://www.bbc.com/portuguese/brasil-43578246