De ti, a ti…

Escapo a ti ao dormir, e a ti recordo ao acordar;

Em ti se amainam os desassossegos diários e intermitentes;

Para ti são os sorrisos contidos, aqueles que escapam pelas mãos;

Mas também são aqueles de lindo sorriso de marfim,

És o meu (r) encontro com o recôndito,

Não mais postergado a outras eras vindouras.

A ti, de ti, para ti só as emanações do sentimento arrebatado,

Que levam-me a um caminho que eu decidi trilhar, sozinho.. ou não..

Onde a importância do sentir é a realização máxima de uma felicidade

Nítida, lúcida, vivida e sem tantas amarras.

Descoberta que não é soltar-me de ti, mas para ti,

Para o suprarracional, de onde as respostas tem o seu simples valor

E onde o sentir tem a autoridade absoluta.

Aberto: como o abraço daquele ingênuo que teoriza utopias humanas.

Não que assim não esteja, mas só pela elevação.

Hoje, elevado e por ora, evoluído.

_____________________
Por: Thiago Soares (Tago Elewa Dahoma), fevereiro de 2012

Postado dia 21 de setembro de 2018…

Anúncios

Publicado por

papiroindomito

"Uma espada que ao mesmo tempo tem o gume cortante e se enferruja". O dizer de si sempre é o rescaldo das nossas impressões nas outras pessoas. Ora tranquilo, ora gélido, ora paisagem nas suas diversas estações do ano..

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s